FAQS

Os standards aplicam-se tanto aos cabos em pares de cobre como aos componentes. Na TIA/EIA, os componentes usados nas redes estruturadas em cobre são definidos segundo Categorias (acompanhando as nomenclaturas dos Cabos em pares de cobre).

Ao inverso da TIA/EIA, na ISO/IEC os componentes das redes estruturadas em cobre não estão definidos em Classes como acontece com os cabos em pares de cobre.

Assim, segundo a ISO/IEC estão definidas as seguintes normas para os módulos/conectores:

Classe D Classe E Classe Ea
Frequência Limite
(ISO/IEC 11801)
100 MHZ 250 MHZ 500 MHz
100 Base-T Permite Permite Permite
1000 Base-T Permite Permite
(recomendado)
Permite
10 GBase-T X Permite * Permite
(recomendado)
Norma IEC do
Conector/Módulo
RJ45
IEC 60603-7-3
RJ45
IEC 60603-7-5
RJ45
IEC 60603-7-51 draf*¹

*A combinação de cabo em pares de cobre com componentes pode permitir atingir-se transmissões em 10 GBase-T.

*¹ A indicação Cat.6/Ea nos componentes indica que os mesmos cumprem os requisitos para 10 GBase-T no Canal (Channel).

As redes de 10Gb não estão definidas por uma norma, somente por protocolo, sendo que para conseguir obter uma rede com performance de 10Gb, esta deverá cumprir o protocolo de transmissão IEEE 10 Gigabit Ethernet 802.3an – 10GBase-T que apresenta valores limite iguais aos relatórios técnicos TIA TSB155 e ISO TR24750.

Deste modo não conseguirá certificar uma rede para 10Gb, ou seja, ou instala componentes + cabo que permitam atingir 10Gb, segundo o protocolo e tecnhical reports anteriormente designados e certifica a rede segundo a ISO/IEC Classe E (UTP ou FTP) ou opta por instalar componentes + cabo que permita uma certificação da rede em ISO/IEC Classe Ea (os valores limite da Classe Ea são mais exigentes face aos valores limite designados no protocolo IEEE 10 Gigabit Ethernet 802.3an – 10GBase-T e technical reports TIA TSB155 e ISO TR24750).

As velocidades de 10Gb estão a tornar-se comuns nos projectos, contudo continua a surgir muita confusão com este aspecto. A velocidade de 10Gb é definida pelo protocolo de transmissão IEEE 10 Gigabit Ethernet 802.3ea – 10GBase-T.

Tanto nas normas TIA, como nas ISO, existem relatórios técnicos que definem os valores limite a cumprir (TIA TSB155 e ISO TR24750), no entanto estes relatórios técnicos ainda não são normas e baseiam-se nos valores limite do protocolo de transmissão IEEE 10 Gigabit Ethernet 802.3ea – 10GBase-T.

Como organismos que trabalham em conjunto, certas classes e categorias têm os mesmos valores limite como é o caso das Cat.5e (TIA) / Classe D (ISO) e Cat.6 (TIA) / Classe E (ISO).

Contudo, a TIA Cat.6A e a ISO11801 Classe Ea – AMD1 apresentam valores limite díspares. Deste modo, para o mercado Europeu importa, neste caso, que a rede cumpra a ISO11801 Classe Ea – AMD1.

Sim, embora estas entidades trabalhem em conjunto, há diferenças nos valores limite considerados para determinadas Classes/Categorias.

A ISO 11801:2002 / Amd 1:2008 define a norma para as redes estruturadas com a seguinte nomenclatura e características:

Channel Link:
– ISO 11801 Channel Class D até 100 MHZ (Designação Comercial Comum: Cat.5e)
– ISO 11801 Channel Class E até 250 MHZ (Designação Comercial Comum: Cat.6)
– ISO TR24750 Channel até 500 MHZ (Designação Comercial Comum: Cat.6 – 10Gb)
Este ISO é um TR (tecnhical report), pelo que ainda não está definido como uma classe, mas somente como um relatório técnico (Tecnhical Report usado como valores limite em redes existentes).
– ISO 11801 AMD1 Channel Class Ea até 500 MHZ (Designação Comercial Comum: Cat.6A)

Permanent Link:
– ISO 11801 Permanent Link Class D até 100 MHZ (Designação Comercial Comum: Cat.5e)
– ISO 11801 Permanent Link Class E até 250 MHZ (Designação Comercial Comum: Cat.6)
– ISO TR24750 Permanent Link até 500 MHZ (Designação Comercial Comum: Cat.6 – 10Gb)
Este ISO é um TR (tecnhical report), pelo que ainda não está definido como uma classe, mas somente como um relatório técnico (Tecnhical Report usado como valores limite em redes existentes).
– ISO ClassEa Permanent Link 25N1431 até 500 MHZ – DRAFT (Designação Comercial Comum: Cat.6A)

Por outro lado a TIA/EIA 568-B.2 AMD 10:2008 para redes estruturadas define:

Channel Link:
– TIA Cat.5e Channel até 100 MHz (Designação Comercial Comum: Cat.5e)
– TIA Cat.6 Channel até 250 MHz (Designação Comercial Comum: Cat.6)
– TIA TSB155 Channel até 500 MHz (Designação Comercial Comum: Cat.6 – 10Gb)
Este TIA é um tecnhical report pelo que ainda não é definido como uma categoria, mas somente como um relatório técnico (Tecnhical Report usado como valores limite em redes existentes).
– TIA Cat.6A Channel até 500 MHz (Designação Comercial Comum: Cat.6A)

Permanent Link:
– TIA Cat.5e Permanent Link até 100 MHz (Designação Comercial Comum: Cat.5e)
– TIA Cat.6 Permanent Link até 250 MHz (Designação Comercial Comum: Cat.6)
– TIA TSB155 Permanent Link até 500 MHz (Designação Comercial Comum: Cat.6 – 10Gb)
Este TIA é um tecnhical report pelo que ainda não é definido como uma categoria, mas somente como um relatório técnico (Tecnhical Report usado como valores limite em redes existentes).
– TIA Cat.6A Permanent Link até 500 MHz (Designação Comercial Comum: Cat.6A)

Uma análise cuidada evidencia que até ao momento, para instalações novas, a Classe Ea (Cat.6A) apenas está standardizada para Channel Link, contudo já existe um draft para Permanent Link (prevê-se passagem a norma durante o ano de 2009).

Por outro lado, segunda a norma TIA/EIA, a Categoria 6A já está normalizada tanto para Channel como Permanent Link.

Dois testes podem ser realizados:
– Permanent Link => Que é definido pelo cabo + tomadas (com e sem painel)
– Channel Link => Que é definido pelo cabo + tomadas (com e sem painel) + patch-cords.
Usualmente certificam-se as redes estruturadas em Permanent Link.

A Categoria é a nomenclatura usada pela TIA (Telecomunication Industry Association) para classificar as redes estruturadas.
Por outro lado, a Classe é a nomenclatura usada pela ISO/IEC (International Organization for Standardizazion) para classificar as redes estruturadas.

As normas para os pares de cobre (Redes Estruturadas) são definidas nos Estados Unidos da América pela TIA/EIA (Telecomunication Industry Association) e na Europa pela CEN (Comité Europeu de Normalização).

Existe um terceiro organismo internacional, ISO/IEC (International Organization for Standardizazion), que está directamente ligado à Telecomunication Industry Association (TIA/EIA) e à International Organization for Standardizazion (ISO).

Nas redes estruturadas, aplicam-se as normas ISO em Portugal.

  • Cabos de comando e Controlo
  • Cabos de transmissão de dados
  • Cabos de Potência de Baixa e Alta Tensão
  • Soluções de Redes Estruturadas (Cobre e fibra)
  • Cabos especiais
  • Cabos “À medida”

POLICABOS – Soluções Técnicas de Condutores S.A. é importador / exportador e armazenista de cabos eléctricos, ópticos, conectores e acessórios, fornecendo soluções técnicas no dominio das instalações de cabos.